BURACOLANDIA

Qualquer semelhança pode não ser pura coincidência.

Segundo a história existia uma certa cidade cujo nome era pomposo e originava da língua Tupi Guarani. Os Edis do município, maioria politicamente situacionista, com receio de perderem a reeleição, acataram, de pronto, a sugestão de mudança do nome original para a nova denominação de BURACOLANDIA. A Mesa Diretora colocou o Projeto popular em tramitação sob protesto do poder executivo. Durante a leitura das justificativas um Vereador situacionista se indignou ao saber que o novo nome foi sugerido demonstrando a queijolandia que se transformou a localidade. O Secretario da Câmara, cumprindo as formalidades legais, disse: nobre Edil, Vossência não analisou o Projeto? Respondendo, de forma veemente, o Vereador bradou: antes mais nada devo dizer ao colega que meu nome é Edil, não Edilson e também não fui eleito para analisar ou ler projetos e sim para votar a favor ou contra e, aproveito pra dizer que votarei contra. A população organizou manifestações em apoio ao Projeto, bloqueando ruas, batizando buracos nas vias públicas com nome de políticos local, com direito a inauguração animada com música ao vivo, na base de voz e violão por não haver empresário do ramo musical que se dispusesse a ceder algum artista de renome para as badaladas inaugurações, receosos em perder a “boquinha” anual com contratações milionárias. A vaquinha virtual de arrecadação dos recursos também não rendeu bons frutos porque o comércio e indústria local preferiu não arriscar ter fiscais de tributos devassando suas contabilidades. Mas, quando o povo quer ele consegue mudar a ordem das coisas e obtém vitórias inacreditáveis. Conta a história que o gestor convocou reunião de emergência com seu staf de comunicação e marketing na busca de solução midiática do problema, mas descobriu que seu staf não tinha condições técnico profissionais para a emergente demanda. Um blogueiro mais chegado ao gestor logo cuidou de anunciar na cidade a presença de um certo marketeiro famoso, que meramente veio em visita a parentes, como se fosse contratado para a façanha. Foi alegria que durou pouco para os beneficiados do governo, vez que a verdade veio à tona, que o milagreiro não estava disposto a tirar “os burros d’água” que o gestor havia se metido.
A história não finda aqui por ser longa demais, havendo, portanto, mais episódios.