CIDADE FANTASMA OU MERA COINCIDÊNCIA?

Contam que certa feita havia uma cidade com mais de duzentos mil habitantes, com seu território municipal quase cem por cento urbano. Emprego e renda, em quase sua totalidade, só eram gerados pelo comércio lojista e prestações de serviços. Vários tipos de pessoas foram eleitos prefeitos do município em seus últimos anos de existência, ex-vereador, militar, semianalfabeto, funcionário público, pecuarista, aventureiro, só não um empresário do segmento gerador de emprego. Não demorou muito e a cidade foi definhando, diminuindo cada vez mais seu comércio, crescimento populacional estagnado, sem novas oportunidades de emprego, portanto sem circulação da moeda e os empresários assistindo passivamente outras cidades próximas crescendo por descobrirem suas vocações naturais. Qualquer semelhança com Itabuna será mera coincidência?

Prefeitura tem CNPJ, logo, é uma empresa, que embora pública, tem que gerar lucro, não para ser dividido com o administrador e seus “associados” (que em alguns casos dividem até o capital e patrimônio), mas sim para investimentos em educação, saúde, mobilidade urbana, infraestrutura, assistência social, dentre outros.

As eleições deste ano não são para prefeito, mas é termômetro de observação dos movimentos políticos na direção das eleições de 2020, quando estes e vereadores serão eleitos.

Das duas uma, ou os interessados no crescimento de Itabuna se unem, estabelecem agenda positiva, montam estratégias políticas e elegem um membro dos seus quadros ou Itabuna deixará de ser apenas coincidente e será ela própria uma cidade fantasma.

Há quem acredite que a solução para Itabuna sair do marasmo é transforma-la em Polo de Turismo de Negócios, sua vocação natural.

Para ilustrar a ideia, conta um humorista que fabricantes de creme dental passaram vários dias em grande congresso buscando fórmulas de aumentar em vinte por cento o consumo do produto até que o garçom que servia o cafezinho pediu para dar um palpite. Permitido, disse: Porque vocês não aumentam um pouco o tamanho do buraco que sai a pasta de dente? Assim foi feito e o consumo superou as expectativas.

A moral da historia é que, às vezes, simples ideias vindo de quem não se espera, trazem grandes soluções.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.